Ativar Acessibilidade Ativar Acessibilidade

Neurociências

O departamento de Neurociências da Takeda é orientado pelas necessidades não atendidas de pacientes com doenças neurológicas e psiquiátricas.  Nossa missão é levar medicamentos inovadores e que tenham o potencial de modificar doenças.

Nossa dedicação vai além de nossos produtos comercializados e esforços de pesquisa. Estamos comprometidos em gerar conscientização sobre essas condições, construir parcerias estratégicas, tanto com a indústria quanto com representantes, educar pacientes e médicos, além de ampliar o acesso a terapias.

Doenças*:

  • Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): O TDAH é um transtorno de desenvolvimento neurológico caracterizado por um padrão repetitivo de desatenção e/ou hiperatividade/impulsividade que interfere em questões funcionais ou de desenvolvimento.1 Frequentemente, o TDAH se inicia na infância e vai até a fase adulta, podendo se manifestar de diversas formas durante a vida. Os sintomas de hiperatividade motora tendem a diminuir com a idade (durante a adolescência e a fase adulta), enquanto os sintomas de desatenção e impulsividade podem persistir.1

  • Transtorno de Compulsão Alimentar (TCA): O TCA é o mais comum dos transtornos alimentares em adultos com predominância maior  que anorexia e bulimia combinadas.2,3 Frequentemente, o TCA é caracterizado por episódios recorrentes de compulsão alimentar que ocorrem, em média, pelo menos uma vez por semana no período de três meses, nos quais os indivíduos consomem uma grande quantidade de comida em um curto período de tempo, comparado com o que outros consumiriam em circunstâncias semelhantes,1 sendo isso acompanhado de sensação de falta de controle sobre o que se está comendo, além de angústia.1

  • Insônia: A insônia é caracterizada pela dificuldade de iniciar ou manter o sono, pelo despertar precoce e/ou por um sono não reparador, trazendo prejuízos ao bem-estar físico, mental e social também durante o dia.4 Segundo a OMS 40% dos brasileiros sofrem de algum tipo de insônia.5  Alguns sinais da insônia são alterações e queixas diurnas, bem como redução da capacidade cognitiva relacionada à concentração, memória e atenção, ansiedade, fadiga falta de energia e sintomas de irritabilidade.6 Por se tratar de um transtorno muito comum, a insônia representa um grande problema de saúde pública não só pelo impacto que provoca na qualidade de vida, mas também por seu potencial de provocar ou agravar outras condições clínicas e psiquiátricas - sendo a depressão a doença associada mais comum.

 

Olhando para o futuro, a Takeda está estabelecendo um alto nível de inovações, focada em possíveis opções de pesquisa em condições neurológicas raras com necessidades não atendidas significativas. 

  • Epilepsias Raras: A síndrome de Dravet e a de Lennox-Gastaut são dois tipos de epilepsias raras que normalmente surgem no início da vida e, com frequência, estão associadas a deficiência cognitiva e de desenvolvimento grave, além de convulsões frequentes e resistentes a tratamentos. 7-11
  • Doença de Parkinson: Transtorno neurológico comum caracterizado por movimentos lentos combinados com tremor e/ou rigidez.12,13 A doença é progressiva e tem um impacto significativo em pacientes, famílias e cuidadores em razão de seus efeitos degenerativos na mobilidade e no controle muscular.12,14 Além disso, os pacientes podem padecer de sintomas não-motores, como mudanças cognitivas e transtornos do sono.14

*Obs.: Estes não são critérios completos de diagnóstico e apresentar alguns ou todos os sintomas mencionados não significa que você tenha alguma dessas doenças.  O diagnóstico deve ser feito com base no histórico ou na avaliação completa do paciente.  Apenas um profissional de saúde capacitado pode diagnosticar estes transtornos.  Se você ou um familiar tiver preocupações relacionadas a qualquer um desses transtornos, consulte um médico.

 

Referências:

1 American Psychiatric Association, American Psychiatric Association, eds. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders: DSM-5. 5th ed. American Psychiatric Association; 2013.

2 Kessler RC, Berglund PA, Chiu WT, et al. The Prevalence and Correlates of Binge Eating Disorder in the World Health Organization World Mental Health Surveys. Biological Psychiatry. 2013;73(9):904-914. doi:10.1016/j.biopsych.2012.11.020

3 Hudson JI, Hiripi E, Pope HG Jr, et al. The Prevalence and Correlates of Eating Disorders in the National Comorbidity Survey Replication [published correction appears in Biol Psychiatry. 2012;72(2):164]. Biol Psychiatry. 2007;61(3):348358.

4 Bacelar A; Pinto LR e cols. Insônia: do diagnóstico ao tratamento: III Consenso Brasileiro de Insônia. Associação Brasileira do Sono. 1ª ed. São Paulo, 2013: 1-83.

5 Cária G; Nascimento R. O combate à insônia e os prejuízos que ela traz para metade da população mundial. ComCiência, Campinas. 2012; 144:1-6.

6 Muller MR; Guimarães SS. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de Psicologia. Campinas, 2007; 24(4):519-528.

7 Strzelczyk A, Kalski M, Bast T, et al. Burden-of-illness and Cost-driving Factors in Dravet syndrome Patients and Carers: A prospective, multicenter study from Germany. European Journal of Paediatric Neurology. 2019;23(3):392-403. doi:10.1016/j.ejpn.2019.02.014

8 Anwar A, Saleem S, Patel UK, Arumaithurai K, Malik P. Dravet Syndrome: An Overview. Cureus. 2019;11:e5006. doi:10.7759/cureus.5006

9 Dravet C. The core Dravet syndrome phenotype: Core Dravet Syndrome. Epilepsia. 2011;52:3-9. doi:10.1111/j.1528-1167.2011.02994.x

10 Arzimanoglou A, French J, Blume WT, et al. Lennox-Gastaut syndrome: a consensus approach on diagnosis, assessment, management, and trial methodology. Lancet Neurology. 2009;8(1):82-93. doi:10.1016/S1474-4422(08)70292-8

11 Crumrine P. Lennox-Gastaut Syndrome. Journal of Child Neurology. 2001;17:S70-S75.

12 Kalia LV, Lang AE. Parkinson’s disease. The Lancet. 2015;386(9996):896-912. doi:10.1016/S0140-6736(14)61393-3

13 Postuma R, Berg D, Stern M et al. MDS clinical diagnostic criteria for Parkinson's disease. Movement Disorders. 2015;30(12):1591-1601. doi:10.1002/mds.26424

14 Hiseman JP, Fackrell R. Caregiver Burden and the Nonmotor Symptoms of Parkinson’s Disease. In: International Review of Neurobiology. Vol 133. Elsevier; 2017:479-497. doi:10.1016/bs.irn.2017.05.035

 

C-ANPROM/BR/NBU/0040 – Jan/2022 | Material destinado ao público em geral