Úlcera Péptica

A úlcera péptica, ou doença ulcerosa péptica, é uma lesão em forma de ferida de maior ou menor profundidade, situada na camada mais superficial (denominada mucosa) que reveste o tubo digestivo. Quando esta lesão se localiza no estômago denomina-se úlcera gástrica e quando ocorre na primeira porção do intestino delgado chama-se úlcera duodenal. É uma doença frequente que na Europa ocidental afeta aproximadamente 5-10% da população num determinado momento das suas vidas. Até há uns anos atrás considerava-se que uma produção excessiva de ácido clorídrico (ácido que em condições normais é produzido pelo estômago para ajudar a digestão dos alimentos) era o principal responsável pela doença ulcerosa péptica.

No entanto, hoje em dia, considera-se que a principal causa da origem da doença ulcerosa péptica é a presença de um agente infecioso bacteriano, denominado Helicobacter pylori. Esta bactéria infeta o estômago numa grande percentagem da população mundial (aproximadamente 50%), embora esse facto não signifique que estas pessoas tenham problemas digestivos nem que tenham ou possam ter no futuro uma úlcera péptica. Apenas 10-20% das pessoas infetadas por este microorganismo irão desenvolver ao longo da sua vida uma úlcera péptica no estômago e/ou no duodeno. Junto com a infeção por Helicobacter pylori, o consumo de medicamentos denominados anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), são as principais causas da doença ulcerosa péptica.

Para o tratamento da úlcera associada à H. pylori podem utilizar-se diferentes tratamentos, nomeadamente o que combina três medicamentos (um inibidor da bomba de protões (IBP) e dois antibióticos) durante sete dias.