Ativar Acessibilidade Ativar Acessibilidade

Dia Nacional de Combate à Cefaleia: Você sabe identificar os gatilhos da sua dor
de cabeça?

19 de maio de 2018
  • Marca Neosaldina® lista cinco tendências comportamentais que podem desencadear a dor de cabeça e maneiras de evitá-la

São Paulo, maio de 2018 – A dor de cabeça está presente na vida de 95% dos internautas brasileiros1, trazendo grandes impactos para a qualidade de vida e o bem-estar. Assim, o Dia Nacional de Combate à Cefaleia, que acontece em 19 de maio, reforça aimportância de se falar sobre esta condição e os gatilhos – que são diversos e estão em constante evolução. Para ajudar nesse debate, a marca Neosaldina®, em parceria com a WGSN Mindset, divisão de consultoria da empresa líder global em pesquisa de tendências, WGSN, traz a pesquisa “O futuro da dor de cabeça2, que identificou tendências dessa dor e possíveis soluções. 

Conduzido em março deste ano, o estudo foi feito com base nos comportamentos da população e os resultados mostram que a maioria dos gatilhos da dor de cabeça está relacionada a questões externas já conhecidas, como estresse e falta de sono, mas também a fatores emocionais e à crescente influência da tecnologia na rotina.

Confira abaixo as tendências da dor de cabeça e como preveni-las:

1. A era da ansiedade: a população nunca esteve tão ansiosa como antes. No Brasil, a Organização Mundial de Saúde3 estima que 9,3% da população sofra de ansiedade, o que coloca o país em primeiro lugar na lista dos que apresentam a patologia no mundo. “A ansiedade em excesso pode alterar a qualidade do sono e afetar a alimentação, que são gatilhos da dor de cabeça”, ressalta a psicóloga Juliane Peres Mercante, especialista em cefaleias e doutora pelo departamento de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP.

Como evitar: É importante apostar em exercícios de relaxamento e de respiração profunda, além de técnicas para aprimorar a qualidade do sono – como a meditação – e o cuidado em adotar uma dieta equilibrada e saudável. Outro ponto é usar meios tecnológicos com inteligência e se desligar de seus smartphones através do “detox digital”2. O site Time to Log Off4, por exemplo, promove essa ação por meio de um guia com um passo a passo para viver dois dias por semana completamente analógicos.

2. Esgotamento cerebral: Em um mundo conectado, em que o virtual é o real, o foco passa a ser um desafio. Cada vez mais as pessoas estão criando a cultura da distração, em que tentam prestar atenção em tudo ao mesmo tempo, mas não estão efetivamente concentradas². “Nós somos muito cobrados com prazos e diversas metas profissionais e pessoais. Esse acúmulo de tarefas pode ocasionar o esgotamento do cérebro e o aumento do estresse, que geram a dor de cabeça”, explica a Dra. Célia Roesler, diretora da Sociedade Brasileira de Cefaleia e vice-coordenadora do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia. 

Como evitar: Não deixar de lado os momentos de prazer e de autocuidado – como um hobby, uma atividade física e o relacionamento com amigos e familiares. Tem crescido, por exemplo, a oferta de hotéis e retiros de bem-estar que promovem experiências imersivas na natureza, surpreendendo seus visitantes e fugindo do turismo tradicional com o qual estamos acostumados. Já empresas de tecnologia e designers estão pensando em soluções que ajudam a acalmar a experiência on-line, reduzir a dependência diária dos dispositivos e aumentar a nossa saúde e bem-estar2. A pulseira de Doppel5, por exemplo, pulsa ritmicamente, como um segundo batimento cardíaco, para energizar ou acalmar seu usuário como desejado.

3. A dor da pós-verdade: Segundo o Oxford Dictionary - Departamento da universidade de Oxfordresponsável pela elaboração de dicionários - a pós-verdade pode ser definida como a situação na qual os fatos têm menos influência na opinião pública do que o apelo à emoção e as crenças pessoais. Isto é, cada vez mais as pessoas tratam os fatos como opiniões, descartando aqueles que não gostam. A busca incessante pelo que é ´real´ pode criar momentos de estresse e tensão, gerando uma possível dor de cabeça.

Como evitar: Os resultados da pesquisa² recomendam que as pessoas procurem utilizar a tecnologia a seu favor, apostando em soluções que as ajudem a verificar, por exemplo, o que é ou não verdade. Nesse sentido, os veículos Le Monde, Politifact e Full Fact estão criando ferramentas para analisar informações em tempo real, fornecendo verificação automática. Isto irá inibir os usuários a compartilhar o conteúdo mentiroso.2

4. Autoexigência: A busca pelo perfeccionismo é constante e contribui para o aumento da ansiedade na população, segundo estudo feito pela University of Bath e pela York St John University7. Em paralelo, a população passa a associar o excesso de atividades e a produtividade ao sucesso pessoal e profissional. “A autoexigência tem relação direta com a alimentação e no fluxo de ‘preciso ser bom em tudo’, o conceito do se alimentar bem é constantemente confundido. Comer saudável contempla consumir o que gostamos e de forma equilibrada. Na falta de algum nutriente, em dietas restritivas ou com o mau funcionamento do intestino e na presença de problemas digestivos, o corpo pode reagir e desencadear uma dor de cabeça”, alerta a nutricionista Marcia Daskal.

Como evitar: múltiplos estudos mostram a importância de demonstrar os sentimentos e emoções, evitando auto cobranças e o desenvolvimento de uma ansiedade. Já as práticas de Mindfulness - tomar consciência das emoções e usar respiração meditativa para reduzir o estresse – também pode ajudar e já até são vistas como um método de ensino essencial para a melhoria da vida das crianças no futuro2. O Headspace For Kids8, uma expansão do aplicativo Headspace, visa manter as crianças "calmas e focadas" através de exercícios de meditação curtos.

5. Barulho 2.0: Os ruídos aumentam exponencialmente e, como consequência, a angústia e o estresse pioram. E esse barulho tem causado mais do que apenas irritação: resultados da Organização Mundial da Saúde9 mostram que 3% dos ataques cardíacos e derrames cardíacos fatais na Europa são causados pelo ruído do trânsito. “Além de prejudicar a audição, o barulho em excesso pode ocasionar distúrbios de sono, estresse e problemas psicológicos – algumas das principais condições para o surgimento da dor de cabeça”, completa a Dra. Célia.

Como evitar: As pessoas precisam garantir maneiras de ter momentos de silêncio em sua rotina, seja no ambiente de trabalho, na rua ou em casa. É possível, por exemplo, evitar a TV e o uso do celular momentos antes de dormir. Já no trabalho, há fones de ouvido, como o Mindset10, que usam cinco sensores de eletroencefalografia (EEG) para alertar o usuário quando ele se distrai. Ao longo do tempo o cérebro é treinado para reconhecer quando o usuário sai do caminho, levando a melhorias duradouras na concentração e a capacidade de diminuir o ruído por si só10.

SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO. NEOSALDINA® É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA.

NEOSALDINA® Drágeas dipirona, mucato de isometepteno, cafeína. NEOSALDINA® Solução oral – Gotas dipirona, cloridrato de isometepteno, cafeína. Indicações: como analgésico e antiespasmódico, indicado para o tratamento de diversos tipos de dor de
cabeça ou cólicas. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO3.
Registro MS 1.0639.0231


Sobre a Takeda

A Takeda é uma empresa farmacêutica global, comprometida em proporcionar ao paciente saúde melhor e um futuro mais brilhante, traduzindo a ciência em medicamentos que mudam vidas. A companhia concentra os seus esforços de pesquisa nas áreas de oncologia, gastroenterologia e sistema nervoso central e tem programas específicos de desenvolvimento com especialidade em doenças cardiovasculares, assim como produção de vacinas. A companhia investe em Pesquisa e Desenvolvimento internamente e com parceiros, com o objetivo de permanecer na liderança das inovações. Mais de 30 mil funcionários, em 70 países, estão empenhados em melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Novos produtos, bem como sua presença nos mercados emergentes, fomentam o seu crescimento de forma sustentada.

A Takeda no Brasil está entre as 10 principais farmacêuticas do país e tem duas fábricas instaladas em território nacional - Jaguariúna (SP) e São Jerônimo (RS). A área de MIPs (medicamentos isentos de prescrição) conta no portfólio com produtos consagrados para dor de cabeça, má digestão e antibactericida. Na área de prescrição médica, as principais especialidades atendidas pela Takeda são gastroenterologia, cardiometabólica e imunologia, além da oncologia, lançada em 2015. 

Para mais informações sobre a Takeda, consulte o site: http://www.takedabrasil.com


SOBRE A WGSN

Plataforma pioneira em tendências e previsões. A WGSN foi a primeira a combinar tecnologia de ponta com a criatividade humana para atender às necessidades únicas da indústria criativa internacional. Informações e inspirações de todo o mundo podem ser acessadas com um só clique. Mantemos nosso cliente informado e à frente do mercado, podendo criar o futuro para seu negócio e para seus consumidores. Com mais de 250 especialistas em previsão de tendências e cientistas de dados em todo o mundo, nós ajudamos 6.500 empresas a se manterem relevantes e encontrarem as próximas oportunidades de crescimento. Junto com os nossos 74.000 usuários, criamos o amanhã ao unir pesquisa qualitativa com análises quantitativas e serviços personalizados de consultoria. Mais informações em: https://www.wgsn.com/pt/

Sobre a pesquisa: A pesquisa “O futuro da dor de cabeça” é uma realização da WGSN Mindset, encomendada pela marca Neosaldina®, da farmacêutica Takeda, para avaliar os gatilhos da dor de cabeça nos próximos anos. O estudo foi realizado em março de 2017 e foi utilizada a metodologia de desk research, olhando tanto para a plataforma WGSN, como para outras fontes secundárias.

 

Referências bibliográficas

1. IBOPE Inteligência. Dor de cabeça. São Paulo: IBOPE Inteligência; 2016. Foram realizadas 1.002 entrevistas com a população internauta de 18 a 55 que tiveram dor de cabeça nos últimos 3 meses em todas as regiões do Brasil, entre os dias 15 a 25 de
agosto de 2016. A margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais.
2. WGSN Mindset. Pesquisa O futuro da dor cabeça. São Paulo: WGSN Mindset para Takeda mar 2018. Foi utilizada a metodologia de desk research, olhando tanto para a plataforma WGSN, como para outras fontes secundárias.
3. World Health Organization – WHO. [Organização Mundial da Saúde]. Estudo Depression and Other Common Mental Disorders. [Depressão e outros distúrbios mentais comuns: estimativas globais de saúde]. [Internet]. 2017. [Cited 2018 apr]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf;jsessionid=EDD0731EC07BE0807E9F1D96E42CAC1E?sequence=1.
4. Website Time to Log Off. 2018. Disponível em: https://www.itstimetologoff.com/.
5. Website Doppel. 2018. Disponível em: https://feeldoppel.com/.
6. Oxford Dictionary. Definition ‘post-truth’. 2018. Disponível em: https://en.oxforddictionaries.com/definition/post-truth.
7. Curran T., & Hill AP. Perfectionism Is Increasing Over Time: A MetaAnalysis of Birth Cohort Differences From 1989 to 2016. American Psychological Association. [Internet]. Psychological Bulletin. 2017 Dec 28 abstract. [Cited 2018 apr]. Available from: http://dx.doi.org/10.1037/bul0000138.
8. Website Headspace for kids. 2018. Disponível em: https://www.headspace.com/meditation/kids.
9. World Health Organization – WHO. [Organização Mundial da Saúde] . Burden of disease from environmental noise. [Internet]. 2011. [Cited 2018 apr]. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0008/136466/e94888.pdf.
10. Website Mindset Headphone. 2018. Disponível em: https://www.thinkmindset.com/.

 

Maio 2018 | BR/NEO/1805/0112 (1)
Material destinado para a imprensa
Em caso de dúvidas ligue gratuitamente - SAC: 0800 771 0345